Pular para conteúdo

Nossa História


Foi no ano de 1970! Um grupo de jovens da periferia de Belém esbarrou com os meninos vendedores do Ver-O-Peso: distantes de casa, distantes de escola, distantes de dignidade: marginalizados na periferia da vida.

“Vamos fazer amizade, conhecer sua realidade, repartir com eles a comida...”: criaram o Restaurante do Pequeno Vendedor. Aos poucos jovens e meninos , além da comida, partilhavam experiências, desenvolviam idéias e realizavam sugestões, transformando o Restaurante numa autêntica República, a República do Pequeno Vendedor. Decidem juntos, reúnem-se em grupos, pequenas cooperativas: saqueiros, jornaleiros, sacoleiros, engraxates, picolezeiros... organizam-se em assembléias para decidir as coisas e até escolher seus dirigentes...precursores do hoje tão propalado “protagonismo juvenil”! Davam asas a seus sonhos!

“Queremos viver!” ... “Queremos a consciência da comunidade” ... Em torno desses apelos no dia 12 de maio de 1972, dia das mães, a cidade inteira acorda com milhares de jovens, em mais de 100 caminhões, batendo de porta em porta. “Não queremos dinheiro, apenas os objetos que vocês não usam mas que podem servir para ajudar os meninos da República!” A Campanha de Emaús está nas ruas: a comunidade descobre na rua, com o gesto da partilha, a importância de uma “solidariedade que transforma mentes, corações e vidas”!

Sonhamos uma cidade diferente, com escola, saúde, casas, criações de pequenos animais, plantações... uma cidade onde as crianças sejam crianças de verdade: estamos no ano de 1980! Nasce assim a Cidade de Emaús, no bairro do Benguí: o bairro estava em expansão com a ocorrência de várias ocupações de terra, na ânsia da conquista de um teto para todos. Um grupo de voluntários desloca-se da República para fazer acontecer esse sonho. Grupo de desbravadores que valeu a pena: a Escola Cidade de Emaús, com seu projeto político pedagógico baseado nas pedagogias de Maria Montessori, Dom Bosco e Paulo Freire chegou a ser referência nacional durante uns bons anos!

A República já tinha virado um movimento: Movimento República do Pequeno Vendedor.

Movimento que não podia fechar os olhos diante de uma realidade marcada pela violência, agredindo e ceifando vidas ainda verdes de crianças e jovens. Um grupo de voluntários mostrou aos demais que devíamos evoluir de ações pontuais para uma intervenção mais sistemática de combate à violência contra crianças e jovens: lideraram a criação do “Centro de Defesa do Menor – CDM”, inaugurado em 10 de dezembro de 1983, aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Hoje com o nome de “Centro de Defesa da Criança e Adolescente  – CEDECA Emaús”, foi o primeiro do Brasil.

Na década de ’80 a “experiência” do Movimento transbordava de Belém para o Brasil num enfrentamento sem precedentes à situação dos meninos e meninas de rua, somando forças na defesa ampla dos direitos infanto-juvenis. Formava-se uma verdadeira “pororoca  social” de nível nacional com fortes expressões: Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua com seus núcleos de base espalhados pelo Brasil, Fórum Nacional DCA (em Defesa da Criança e Adolescente), ANCED – Associação Nacional de Centros de Defesa, Constituição cidadã com o art. 227 sobre os direitos das crianças, o ECA, os Conselhos de Direitos e Tutelares... E a República? Sempre esteve no olho desse furacão!

Isso tudo, nos tempos mais recentes, ganhou até um termo altissonante: incidência política!

O Movimento República do Pequeno Vendedor acabou se chamando Movimento República de Emaús – MRE a expressar um profundo significado construído ao longo do tempo: um sonho que não para (MOVIMENTO) acontecendo em suas expressões concretas (República do Pequeno Vendedor, Centro de Promoção ao Trabalho, Centro de defesa e Campanha) construídas democraticamente (REPÚBLICA) e animadas pela mística cristã (EMAÚS).

E hoje?

Hoje a Cidade de Emaús abriga todas as Expressões do Movimento, em ações distintas mas integradas: a RPV, o CPT, o CEDECA e a CAMPANHA!

 

O Movimento de hoje você vai poder conhecer visitando pessoalmente e também navegando neste nosso SITE!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



  • Banco do Brasil
  • Caixa
  • CDP
  • ICCO
  • Prodepa
  • cosanpa
  • Celpa